• Ana Luiza Prata

Precisamos falar sobre cores!

Atualizado: 29 de Mai de 2018

Hoje, e nos nossos próximos posts, vamos falar de CORES!



Um tema que gera bastante receio e pode até ser mais complexo do que parece! Quais cores usar? Quais combinações funcionam? E principalmente, o quanto de cor usar?


Como vocês sabem, a arquitetura de interiores tem um viés artístico muito forte e respostas exatas nem sempre são possíveis! Porém existem dicas, regrinhas e sugestões para quem está pensando em se aventurar nesse tema e gostaria de um suporte nas suas escolhas.

Para isso, é necessário entender o Círculo Cromático! O círculo cromático é uma ferramenta muito simples de utilizar! Ele é composto por 3 tipos de cores: primária, secundária e terciária.


• Cores primárias: vermelho – azul – amarelo. São consideradas primárias por não ser possível criá-las a partir da mistura de nenhuma outra cor.

• Secundárias: Roxo, verde e laranja: são cores formadas pela combinação de duas cores primarias

• Terciárias: roxo-azulado, laranja avermelhado, entre outras cores que são formadas através mistura de cores primarias e secundarias.

O último grupo de cores são as neutras: branco, preto, cinza, marrom e bege.


Através do círculo de cores, alguns esquemas de combinações de cores são formados sendo os mais básicos os esquemas: Monocromático, Análogo e Complementar.


Monocromático: uso tons diferentes da mesma cor. Azuis mais claros e escuros por exemplo.


Para não ficar monótono, é indicado usar pelo menos 3 tons e abusar do uso de texturas!


Outra dicas nessa combinação, para trazer mais unidade à decoração, é usar a mesma tonalidade de cor, de maneira mais escura e mais clara, sem misturar cores diferentes.


Ambiente assinado por Bruno Carvalho para a CASACOR São Paulo Foto: MCA Estúdio


Análogo: Uso das cores próximas umas das outras no círculo cromático.


É recomendado usar apenas 2 ou 3 cores, e a maneira mais fácil de criar ambientes com essa combinação seria não misturar cores frias e quentes.

Projeto assinado por Jean de Just Design de Interiores Foto: Renato Navarro.

Complementar: opostas no círculo cromático. Por ser uma combinação que combina cores quentes e frias, permite que o ambiente tenha uma atmosfera mais neutra. Porém, por ser formado por cores contrastantes, a dica é utilizar cores pouco saturadas, para não remeter à uma decoração infantil e sim à um ambiente sofisticado.



Apartamento assinado pela CR2 Arquitetura Foto: Alessandro Guimarães.

Para o uso prático desses esquemas de combinação, o ideal é sempre definir sua cor principal, que será usada em abundância, e utilizar o círculo cromático para encontrar uma ou duas cores de destaque.

Para uma comparação direta, vamos analisar a cor azul marinho e criar seus esquemas de combinações básicos: monocromático, análogo e complementar.

Observando as combinações, é possível perceber que que o esquema monocromático, com tons de azul, passa uma sensação serena e fria. Ao analisar o esquema de cores análogas, apesar da sensação de frio continuar, é uma combinação que transmite mais energia. Por fim, como já comentamos, o esquema de cores complementares, por utilizar uma cor fria e uma cor quente, transmite uma sensação mais equilibrada e também energética.

Agora, é aquele momento que sempre surge a dúvida: o quanto usar de cada uma? Existem estudos que indicam que a proporção mais naturalmente agradável aos olhos é obtida da seguinte maneira:

Cor predominante: 50 – 60%

Cor destaque principal: 25-30%

Cor destaque secundária: 10-15%

Entretanto, não é uma regra que não possa ou não deva ser quebrada, para alcançar um ambiente mais dinâmico.

Esperamos que tenham gostado! Semana que vem pretendemos falar sobre a psicologia das cores, o que acham?

55 visualizações

Av. 9 de julho 4939 | 141 Bloco A

São Paulo

  • Facebook - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle
  • Pinterest - Grey Circle